Para o Motorista

O fluido de freio está baixo? Saiba como identificar

fluido de freio

Um veículo com fluido de freio baixo pode causar mais problemas do que a maioria das pessoas imagina. Como seus sintomas são, muitas vezes, sutis, é bastante comum que essa situação passe despercebida, representando um grande risco para sua segurança no trânsito.

Por isso, além de manter os cuidados com a manutenção preventiva em dia, estar atento aos sinais dados pelo veículo é fundamental. Essa é a melhor forma de identificar possíveis problemas relacionados ao fluido de freio assim que eles surgirem, permitindo que você solucione a questão o quanto antes.

Confira, agora, os principais sintomas para identificar que o fluido de freio está baixo e entenda seu papel no veículo!

O que é o fluido de freio e que importância ele tem?

Que o sistema de freios é indispensável, ninguém duvida. Afinal, é por meio da frenagem que se torna possível controlar a velocidade e garantir a segurança dos ocupantes. Para que ele funcione corretamente, o fluido de freio é um componente indispensável. 

Utilizado em sistemas hidráulicos de frenagem, ele tem a função principal de transferir para as pastilhas e lonas a pressão que é exercida sobre o pedal durante o acionamento. Assim, elas são pressionadas contra os discos e tambores, reduzindo gradativamente a rotação das rodas.

Outra função desse fluido é lubrificar os componentes do sistema, o que ajuda a prevenir a corrosão das peças.

Quais são os tipos de fluido de freio?

O principal cuidado na hora de fazer a substituição do fluido de freio é verificar as suas propriedades. Esse componente é classificado de acordo com as características que apresenta.

Uma delas é a baixa compressibilidade, que garante que o fluido não terá seu volume reduzido sob pressão. O alto ponto de ebulição também é fundamental, já que o líquido trabalha em altas temperaturas, e essa característica garante que suas propriedades não serão afetadas pelo calor.

Os tipos de fluido de freio são classificados por meio de um padrão internacional, desenvolvido pelo Departamento de Transportes dos Estados Unidos (Department of Transportation, ou DOT). Veja, agora, as diferenças entre os principais tipos encontrados no mercado.

DOT 3

Pode ser utilizado em sistemas hidráulicos de freios e embreagens de uso moderado. Tem baixo ponto de ebulição e alta densidade.

DOT 4

Ideal para tipos de freio e embreagens presentes em automóveis, ônibus, caminhões e picapes leves. Suas características são de média densidade e médio ponto de ebulição.

DOT 5

Esse tipo de fluido é indicado para veículos que contam com sistema de freio ABS, pois eles exigem alta eficiência na frenagem. O alto ponto de ebulição e a baixa densidade fazem dele a alternativa certa para quem busca uma boa performance do sistema.

Vale destacar que, diferentemente dos demais tipos de fluido, o DOT 5 é desenvolvido à base de silicone, fato que proporciona maior resistência à umidade. Há, ainda, a classificação DOT 5.1, que é um fluido com as mesmas características do DOT 5, mas com base em glicol, assim como os que citamos antes.

Quais os indícios de fluido de freio baixo?

Como dissemos lá no início, os sintomas de que o fluido de freio está baixo nem sempre são simples de ser percebidos. Vamos falar, agora, sobre os principais, para ajudar você na identificação desse problema.

Cor do fluido

Dependendo do fabricante, os fluidos de freio podem apresentar diferentes colorações quando novos, como amarelo, vermelho ou transparente. Isso ajuda a identificar o nível de contaminação, fornecendo uma boa pista na hora de fazer a troca. Se o fluido estiver muito escuro, o melhor é substituí-lo o quanto antes.

Luz de aviso no painel

Entre os diversos avisos que o painel do veículo pode nos passar, está o de nível baixo do fluido de freio. Quando o carro detecta essa situação, a luz que se acende é aquela com um ponto de exclamação — a mesma que indica que o freio de mão não foi totalmente liberado.

Então, se ela se mantiver acesa mesmo quando você sabe que o freio de estacionamento não é o problema, possivelmente, a explicação tem a ver com o nível do fluido.

Validade

A recomendação dos fabricantes é de que o fluido de freio seja trocado a cada 10 mil quilômetros rodados ou um ano de uso. No entanto, a verdade é que a sua validade também depende de fatores como qualidade e forma de uso do veículo.

Por isso, uma boa dica é desenvolver o hábito de verificar o nível e o aspecto do fluido regularmente. Essa é uma prática simples de revisão automotiva e que facilita os cuidados com manutenção.

O que é preciso fazer ao identificar que o fluido de freio está baixo?

Assim que você perceber qualquer um dos sinais que comentamos, o melhor a fazer é procurar o seu mecânico de confiança rapidamente. Ele contará com as ferramentas necessárias para realizar o diagnóstico e definir se é o momento de fazer a troca do fluido.

Lembre-se de que não é recomendado completar o nível do fluido quando notar que ele está baixo. Apesar de essa ser uma prática comum com os óleos lubrificantes para o funcionamento do motor, é preciso fazer a troca completa para garantir o funcionamento do sistema de freio e a segurança necessária ao dirigir.

Isso porque, muitas vezes, fluido de freio baixo pode identificar outros problemas, como desgaste das pastilhas ou lonas ou, ainda, algum vazamento no recipiente do filtro. Em ambos os casos, o mecânico deve ser consultado. Além disso, ao entrar em contato com o ar, o fluido absorve umidade, o que pode reduzir a eficiência da frenagem, diminuindo a segurança do veículo.

Os sintomas de fluido de freio baixo podem se transformar em problemas maiores se não forem logo verificados, o que representa uma situação muito arriscada no trânsito. Por outro lado, manter os cuidados preventivos demanda bem pouco de você e torna a substituição mais segura e fácil de planejar.

Falando nisso, temos um post com dicas sobre outro cuidado preventivo que você não pode desconsiderar: o alinhamento e balanceamento dos pneus.