Para o Mecânico

Fluido para radiador: qual é a sua importância e qual utilizar?

fluido para radiador

Está sem tempo para ler, você também pode ouvir este post:

É comum que, em uma visita ao posto de gasolina, o frentista ofereça para avaliar o nível da água do radiador, ou mesmo completá-la. No entanto, este é um ponto que pode causar um sério problema para o propulsor, tendo em vista que para tal função não pode ser utilizado qualquer tipo de líquido, como a água de torneira. Mesmo tratada, ela contém minerais que podem gerar reações químicas que estragam as partes internas do motor. É aí que entra a importância do fluido para radiador.

O fluido para radiador desempenha um papel essencial no sistema de arrefecimento do veículo. Trata-se de um produto químico a base de polietilenoglicol, que é misturado com água e utilizado para proteger as partes internas e metálicas do motor.

Além de garantir o resfriamento dos componentes do propulsor, o aditivo também auxilia no equilíbrio da temperatura do bloco. Desta forma,  evita o superaquecimento ou mesmo o congelamento do líquido, com as alterações de clima.

Conversamos com Carlos Biegelmeyer, engenheiro mecânico e consultor de negócios, sobre as características do fluido de radiador, sua importância para o conjunto mecânico do automóvel e os diferentes tipos de aditivo. Confira!

Para quê serve o fluido para radiador?

O radiador do propulsor tem como função o arrefecimento do bloco do motor, com a utilização da água e do ar. O líquido colocado no reservatório é bombeado com a função de manter e regular a temperatura do motor. Dessa forma, o fluido de radiador protege contra a tendência de corrosão de uma série de componentes do circuito.

Apesar de importante, o uso apenas da água desmineralizada (sem minerais na sua composição) como forma de refrigerar o motor representa só o primeiro passo para o bom desempenho do veículo. Isso porque o líquido não garante a estabilidade para o refrigeramento do automóvel.

Com a adição do fluido, é possível perceber um aumento no arrefecimento, além da melhora na capacidade de resfriamento e ponto de ebulição mais elevado.

Qual a sua importância para o veículo?

Carlos Biegelmeyer explica que o uso do fluido para radiador ainda não é parte da cultura de manutenção veicular no Brasil, como acontece com o óleo lubrificante — “todo mundo sabe que é preciso trocar o óleo no veículo, mas o uso do fluido para radiador ainda não está 100% difundido”, explica.

Essa resistência está ligada à falta de informação da população quanto às vantagens e benefícios do seu uso. Veja alguns dos benefícios do uso de um fluido para radiador de alta qualidade:

  • evita a corrosão;
  • mantém o motor na temperatura correta de trabalho;
  • impede o congelamento do motor;
  • evita a evaporação da água.
  • favorece a biodegradabilidade;
  • entrega longos períodos para troca.

Os riscos de utilizar água filtrada no radiador

Quando é utilizada uma água normal no radiador, ainda que filtrada, não há nenhum tipo de proteção contra corrosão no motor. Esse fator que pode vir a causar problemas como o zinabre — uma crosta que se forma pela oxidação de metais. Por isso, essa água pode afetar toda parte metálica interna do motor, gerando prejuízos consideráveis!

Por essa razão, deve ser utilizado um inibidor, como o fluido (ou aditivo), para a proteção do radiador. O produto evita a formação da ferrugem, como uma lama, que desencadeia em danos ao propulsor. Sendo assim, o fluido garante não apenas a refrigeração, mas também a proteção das estruturas internas do motor.

Além disso, quando ele não é colocado nas proporções adequadas, o motor pode superaquecer. “Quando é utilizado um produto como um fluido de radiador, o ponto de evaporação da água é alterado, ele aumenta”, explica o engenheiro mecânico. “Da mesma forma, a temperatura de congelamento muda, pode vir a chegar a -50ºC”, complementa.

Quais os tipos de fluido para radiador?

O fluido para radiador está disponível no mercado em duas versões, a concentrada (como aditivo) e a pronta para uso. No caso do produto pronto, ele utiliza de água pré-tratada e não requer preparo ou misturas. No caso do pré-diluído, deve ser misturado à água — observando se essa água não é alcalina, ou mesmo uma água contaminada que pode vir a prejudicar o funcionamento do motor.

Assim como no caso da gasolina e de outros componentes do veículo automotor, é essencial observar a qualidade dos recursos e não realizar a escolha focando apenas no preço. “O fluido para radiador não precisa ser muito caro, mas quando é muito barato isso é um indicativo de que existe alguma coisa que diminui a sua qualidade”, alerta o especialista.

Fluido para radiador pronto para uso x concentrado

No caso do produto pronto para uso, a vantagem é que ele não precisa de adição de água — o que facilita sua aplicação. Por ser comercializado pronto, basta seguir as orientações e preencher o recipiente até a capacidade total.

Já no caso do concentrado, a mistura é realizada ou em casa ou pelo mecânico na oficina. Requer o cuidado com o uso de uma água apropriada e nas proporções corretas para garantir a sua eficiência. Nos dois casos, as características químicas são similares, o que se diferencia é a forma de preparo e o valor cobrado pelo produto.

Cuidados na realização da troca do fluido para radiador

A recomendação de troca do líquido do radiador varia de acordo com o fabricante e, também, com a qualidade do produto. O prazo de validade pode variar entre 10 a 30 mil quilômetros, ou de um ano a cinco anos de duração! As condições de tráfego também afetam o desempenho.

Essa troca deve ser realizada de maneira especializada, em uma oficina mecânica: toda a água deve ser retirada e, em seguida, reposta com a proporção indicada pelo fabricante do material. Por isso, o procedimento para utilização do fluido requer a participação de um profissional. No mais, na hora da troca deve ser seguida a medida ou a proporção indicada pelo fabricante. Em média é de 60% de água para 40% de fluido, ou mesmo dividido de maneira igual.

Como saber a hora de trocar o líquido para radiador

  1. Acompanhe a quilometragem: 10 a 30 mil quilômetros rodados;
  2. Observe a aparência do fluido de radiador: em boas condições, tem coloração alaranjada ou avermelhada;
  3. Avalie o aspecto do líquido: deve ser cristalino — escurecido indica necessidade de troca.

Vale lembrar que a durabilidade muda de acordo com as características do motor. O especialista reforça que “quando o fluido de radiador é colocado em um motor que está muito sujo, com o tempo ele muda de aparência por limpar e vai absorver essa sujeira para dentro do propulsor — o que faz com que a troca deva ser realizada antes”. Por fim, em um veículo novo, em boas condições, o fluido tende a durar até cinco anos, sem troca.

Saiba como realizar a troca do fluido para radiador

Confira o passo a passo:

  • aguarde o total resfriamento do motor do veículo;
  • abra a torneira de drenagem ou remova a mangueira inferior do radiador
  • aguarde a saída de toda a água suja do sistema;
  • limpe o recipiente com água limpa;
  • verifique a montagem das mangueiras, travas e torneiras de drenagem;
  • com ajuda de um funil, preencha com o fluido para radiador ou água e aditivo;
  • respeite tanto as proporções quanto o limite indicado no recipiente.

O fluido de radiador é capaz de alterar positivamente as características do motor e tem uso universal, ou seja, vale para todos os veículos — tanto para os pesados quanto para os leves. Os benefícios apresentados pelo seu uso são diversos, como a proteção contra corrosão e contra o superaquecimento.

Agora que você já sabe quais quais os benefícios do aditivo, aproveite para conhecer a linha de fluidos para radiador Controil!