6 dicas para a troca do cubo de roda dianteiro

Os rolamentos são peças essenciais para o bom funcionamento de um veículo e têm impacto desde o desempenho eficiente até a segurança na condução. Por isso, indica-se uma revisão frequente desse sistema. Assim como, uma manutenção preventiva que evidentemente inclui a troca do cubo de roda dianteiro.

Para quem é dono ou trabalha em oficina, realizar esse procedimento é tarefa imprescindível para a profissão. Principalmente, diagnosticar o momento certo para a substituição desse componente.

Por isso, para agregar e trazer dicas úteis, preparamos um miniguia completo. Nele, apresentamos informações sobre a troca correta do cubo de roda dianteiro. Também vamor falar sobre quais etapas e ferramentas são necessárias para que sua oficina ou auto center ofereça sempre um serviço de qualidade.

Vamos conferir?

Quais as ferramentas e acessórios necessários para troca do cubo de roda dianteiro?

Toda oficina mecânica profissional não deve se limitar a equipes experientes. É preciso também fornecer infraestrutura adequada, organização e planejamento na prestação dos serviços. Isso deve incluir um mix de produtos e ferramentas completo para que os profissionais possam render melhor.

No caso da troca do cubo de roda dianteiro não é diferente! Diversos equipamentos e acessórios podem servir como ferramentas para a entrega mais rápida, segura e de alta qualidade ao seu cliente.

A seguir, destacamos algumas delas. Confira:

  • calço de rodas — em geral, os calços são feitos com uma borracha dura e altamente resistente, quase sempre em formato triangular que se encaixam nas rodas, evitando que o carro se mexa durante o serviço;
  • torquímetro — esse acessório permite que o mecânico aperte com precisão as porcas das rodas. Caso alguma delas esteja frouxa ou solta, isso pode causar vibrações no parafuso, desgastes e até acidentes. O aperto excessivo também pode danificar os componentes;
  • lixa — para trocar o cubo de roda dianteiro, recomenda-se o uso de lixa fina ou média. Em geral, o grão deve variar entre 80 e 120. Esse acessório é indispensável para a remoção de óxidos que costumam formar na superfície do disco;
  • chave de fenda — sempre útil nos serviços mecânicos, a chave de fenda pode ser usada para abrir o cáliper na hora da troca do cubo de roda;
  • lanterna — indispensável para diagnosticar problemas e facilitar a instalação de qualquer peça no carro;
  • chave catraca com soquetes — serve para a remoção de parafusos e da própria roda;
  • martelo de borracha — aplicado para facilitar a remoção da roda, sem danificar sua superfície;
  • macaco hidráulico ou elevadores automotivos — indispensáveis para a suspensão segura do veículo;
  • ferramenta especial para trocar o cubo de roda — são poucos os modelos que precisam dessa ferramenta, mas atende a uma parcela específica de carros.

Quais são as etapas para a troca de cubo de roda dianteiro?

Assim como qualquer outro serviço mecânico de qualidade, a troca de cubo de rodas precisa seguir um passo a passo básico e quase que padronizado. Evidentemente, cabe ao profissional sempre pesquisar o manual do veículo, a fim de se orientar com algumas especificações e indicações da montadora.

Porém, geralmente, a troca de cubo se baseia nos seguintes processos. Confira!

1. Posicionamento dos veículos

A primeira etapa é estacionar o veículo em uma superfície plana e nivelada. Lembre-se de engatar alguma marcha para evitar o movimento do carro, mesmo com o freio de mão puxado.

Como indicamos nos acessórios utilizados, prenda as rodas com um calço atrás dos pneus. Nesse momento, indica-se também conferir o manual da montadora para se certificar de detalhes técnicos como o torque apropriado para os parafusos, a dimensão deles, entre outros.

2. Suspensão do veículo

Aqui, utilize o macaco hidráulico para suspender a parte superior do veículo, ou se sua oficina já for equipada, usufrua do elevador automotivo.

Certifique-se de usar o conector em uma área estável do quadro para evitar acidentes. Em caso de dúvidas, recorra novamente ao manual da montadora.

3. Remoção dos rolamentos

Afrouxe as porcas do rolamento do cubo e remova a roda. Localize os parafusos de pinça e, após isso, os remova com uma catraca e soquete.

Tais parafusos ficam atrás do cáliper, que também deve ser retirado ao final. Tenha cuidado e evite movimentos muito bruscos para evitar atritos com a mangueira de freio.

Alguns modelos têm parafusos extras para a segurança. Portanto, confira sempre antes da remoção!

Por fim, é preciso também remover as pastilhas de freio nessa etapa.

4. Remoção do rotor de freio

Nem sempre essa é uma tarefa simples, pois a peça pode estar “grudada” ou muito presa. Por isso, a importância do martelo de borracha que citamos no tópico anterior.

Bastar ir martelando nas extremidades até que a peça se desprenda. No caso de veículos com freio ABS, há um conjunto de fios ligado ao rolamento do cubo.

Sendo assim, atente sempre a desconectá-los antes da remoção. Feito isso, o próximo passo é remover a porca do fuso, que costuma ter uma barra e uma arruela acoplados.

5. Limpeza da superfície e montagem

Depois de tudo removido, hora de pegar a lixa indicada e limpar a superfície do rolamento, removendo assim toda ferrugem ou marca de corrosão.

Feito isso, basta aplicar o novo rolamento na posição original, certificando-se que estejam alinhados.

No caso do ABS, atente ao reconectar os fios corretamente também.

6. Finalização

Após recolocar as peças em suas devidas posições, hora de instalar novamente as rodas e apertar os parafusos.

Aperte-os com firmeza, assim que o veículo estiver no chão, e inicie os testes, conforme veremos a seguir.

Como fazer o teste de cubo de roda?

Para ter certeza da qualidade do serviço, por fim, realize um teste para saber se a troca do cubo de roda dianteiro foi bem-sucedida.

Para isso, basta bombear o pedal de freio para as pastilhas se realocarem ao rotor. Depois, com o carro em movimento, fique atento a qualquer ruído anormal ou dificuldade na frenagem.

Enfim, essas são algumas dicas e o passo a passo de como realizar a troca de cubo de roda dianteiro nos veículos de seus clientes. Vale reforçar que, muito além da experiência de seus profissionais, sua oficina deve apostar em um bom mix de produtos, organização, gestão de qualidade (do atendimento até a gestão de resíduos) e, principalmente, na capacitação e profissionalismo de seus serviços.

Gostou das dicas e quer ficar por dentro de muitas outras? Então, siga nossa página no Facebook e acompanhe as próximas novidades!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.