carros-mais-economicos-2020

Carros econômicos: quais são os fatores que devem ser analisados?

A ordem das prioridades de um proprietário de veículo costuma variar bastante. A economia é um dos fatores que costumam preponderar nas escolhas da maior parte das pessoas. Especialmente em um cenário de instabilidade econômica, optar pelos carros mais econômicos, com certeza, é uma decisão acertada.

A regra comum estabelece um carro como um passivo financeiro. Com exceção dos veículos de coleções, que costumam ser valorizados com o passar do tempo. A partir do momento da aquisição, ele gerará custos de manutenção e também passará por um processo de depreciação, que pode ser maior ou menor a depender do modelo.

Por isso vale tanto a pena apostar até mesmo em um carro zero que seja econômico. Selecionamos os principais atributos que fazem com que um veículo possa ser considerado acessível quanto aos gastos. Confira!

Quilometragem por litro

Essa é uma equação que acompanha um dono de carro antes e durante sua experiência com o veículo. Um hábito comum é anotar a quilometragem no momento do abastecimento, bem como a quantidade de combustível colocada no tanque. A partir daí, é só criar médias para que o veículo fique mais previsível quanto ao consumo.

Também é possível saber qual será a quilometragem média por litro de combustível por meio de dados de consumo fornecidos pelas próprias montadoras — ou por revistas especializadas em automobilismo. A experiência de outros proprietários também ajuda a descobrir quais modelos podem ser considerados econômicos ou não para poupar combustível.

É necessário saber ainda que um mesmo veículo apresenta médias distintas, por exemplo, em razão do tipo de combustível com que foi abastecido e o uso que será feito. A gasolina a rigor consegue médias maiores na relação quilometragem/litro enquanto o álcool (embora este seja mais barato, rende menos).

O consumo varia se o carro for utilizado em área urbana ou na estrada, sendo que, no primeiro caso, ele consumirá mais combustível e, no segundo, obviamente, um pouco menos. A partir do momento em que o veículo encontrar uma velocidade estável e não ter que acelerar e frear a todo instante, o consumo é beneficiado, por isso, o uso em rodovias gera maior economia.

Mesmo os carros elétricos demandam esse tipo de ponderação, para saber se, de fato, a escolha gerará economia. Os carros híbridos também são uma tendência a quem quer gastar menos, com a vantagem de ser uma tecnologia mais acessível e com maior autonomia.

Tipo de combustível utilizado em carros mais econômicos

O tipo de combustível se relaciona com a escolha entre o etanol e a gasolina, principalmente. Mas isso gera dúvidas em muitas pessoas, em razão de a maioria dos veículos nacionais serem flex. Como mencionado, a gasolina é mais cara, mas também mais econômica, então, como decidir?

O menor consumo da gasolina em comparação ao álcool é de 30%, ou seja, se um veículo flex faz 10 km/l quando abastecido com ela, fará 7 km/l com o etanol. Portanto, para que o último seja mais vantajoso, seu litro terá que custar 30% a menos que o litro da gasolina.

A octanagem da gasolina é maior que a do álcool, o que faz com que ela seja mais resistente à queima — e por essa razão ela é mais econômica. O etanol tem menor octanagem, mas, por facilitar a queima, gera maior potência ao veículo.

É por isso que, quando você faz a leitura da ficha técnica de um veículo flex combustível, normalmente encontra dois números de potência (cv). Em regra, o número maior se refere ao desempenho quando abastecido com o etanol.

Boas práticas de economia de combustível para carros

A mecânica de um veículo é um projeto de engenharia complexa, por isso, os fabricantes indicam nos manuais diversos cuidados a serem tomados pelo proprietário. O tipo de pneu e a calibragem que será utilizada, por exemplo, são apontados nesse rol de cuidados.

1.Tipo de pneu

Pneus com calibragem abaixo do necessário forçam o motor do veículo. Gerando maior consumo de combustível dada a força extra, exigida para fazer o carro se locomover. Agora, colocar mais pressão que o recomendado não leva ao efeito contrário, pois o pneu poderá estourar. Isso, inclusive, coloca em risco a segurança dos ocupantes e de terceiros. Em um melhor dos cenários, no mínimo causará maior trepidação e desconforto.

2.Óleo lubrificante

O óleo lubrificante também é um dos itens que são recomendados pelos próprios fabricantes. Essas especificações devem ser rigorosamente seguidas para o funcionamento ideal e economia de combustível. Um óleo com viscosidade maior que a indicada pode dificultar o atrito das peças. Gerando maior esforço do conjunto mecânico e aumentando o consumo de combustível.

Novamente, não se deve colocar um lubrificante mais fino e menos viscoso que aquele apontado pelo fabricante. A pena poderá ser a de não ser eficiente na lubrificação e poder levar à fundição de peças do motor. Se isso acontecer, será necessário gastar uma quantia significativa com retífica e mão de obra, ou ainda com a troca do motor.

3.Manutenção adequada

A manutenção adequada também é uma ajuda importante para a economia do veículo, seja para evitar gastos maiores com consertos complexos, seja para preservar a eficiência de todos os sistemas que integram o veículo. Muitas peças estão sujeitas a quebras eventualmente repentinas e outras apresentam uma vida útil que, quando atingida, leva à necessidade de substituição.

4.Velas do motor

As velas do motor, que são componentes fundamentais à queima da mistura entre combustível e oxigênio. Elas demandam revisão e substituição periódica. Essas peças funcionam por meio de uma bobina que gera mais de 20 mil volts. Gera também uma faísca por essa alta voltagem é que faz com que a queima seja eficiente e o carro funcione adequadamente.

Quando uma vela deixa de funcionar ou perde parte da sua eficiência, um dos pistões perderá potência. Logo, o conjunto mecânico consumirá mais combustível para suprir essa falta. Os cabos e a própria bobina também podem apresentar defeitos, portanto, são peças que merecem atenção.

5.Acelerar e frear bruscamente

Acelerar muito e frear bruscamente também aumentam o consumo de combustível, pelo número elevado de rotações por minuto e pelo esforço para romper a inércia constantemente.

Tendências do setor automobilístico para os carros mais econômicos

Os carros estão na rotina de milhões de brasileiros, e, para muitos, também representam uma verdadeira paixão. Por isso, vale a pena entender melhor como será a relação com o seu automóvel. Também é importante se manter bem informado quanto aos cuidados necessários e novidades do setor.

Mais do que isso, você pode ter informações valiosas sobre o modelo que possui e também sobre aquele que pensa em adquirir. Dessa forma, saberá como manter seu veículo em dia quanto à manutenção, além do pagamento de taxas e impostos.

Um bom proprietário de veículo também terá um acúmulo de conhecimento que levará às melhores escolhas. E, agora que você sabe o que considerar, não deixe de pesquisar melhor sobre os modelos dos carros mais econômicos e garantir o melhor custo-benefício.

Gostou de conhecer os fatores a serem analisados nos carros econômicos? Assine nossa newsletter e não perca as atualizações sobre este e outros assuntos relacionados!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.