Para o Mecânico

O que pode causar falha nos freios do carro?

Manutenção para evitar falha nos freios

Está sem tempo para ler? Você pode ouvir este post:

O sistema de freio do carro é, sem dúvida, um dos mais importantes. Isso porque falhas em qualquer dos seus componentes, por menores que sejam, podem ocasionar sérios riscos à segurança do condutor. Por esse motivo, a manutenção das peças que compõem o sistema de freio é tarefa comum na rotina de uma oficina mecânica.

Trata-se de um sistema indispensável para a segurança do motorista, passageiros e demais pessoas que estejam próximas ao veículo. Desta forma, a oficina e o profissional mecânico devem estar devidamente preparados para lidar com esse tipo de reparo. É imprescindível oferecer um serviço qualificado e garantido.

Conhecer bem o sistema de freio de carro é o primeiro passo para aumentar a qualidade dos serviços da oficina. Além disso, estar familiarizado com os problemas mais recorrentes nesse sistema é fundamental para otimizar o tempo e garantir uma resposta rápida ao cliente.

Desse modo, pensando em ajudar você, preparamos este artigo completo para tratar sobre o funcionamento dos freios de um veículo. Além disso, vamos apresentar os principais causadores de falhas nesse sistema. Continue a leitura e confira!

Quais tipos de sistema de freio existem?

Assim como todos os outros sistemas de um veículo, com os avanços da tecnologia e da própria engenharia automobilística, o funcionamento dos freios passou por diversas evoluções ao longo da história.

O modelo mais antigo é o freio a tambor, ainda bastante utilizado nos veículos atuais mais básicos, especialmente nas rodas traseiras. Seguindo com a evolução dos sistemas de freio, hoje temos os freios a disco, presentes em veículos mais completos e de performance mais elevada.

Na prática, tanto o freio a tambor quanto o freio a disco realizam suas funções por meio da pressão hidráulica. O processo ocorre a partir do deslocamento do fluido pelas mangueiras do sistema, comprimindo pinças que entram em atrito com o disco ou tambor das rodas.

tecnologia permitiu mais eficiência e segurança com sistemas como o ABS, conhecido por sua função antitravamento. Os carros fabricados recentemente já contam com esse recurso extra nos freios — que se tornou obrigatório nos veículos produzidos a partir de 2014. O ABS funciona em conjunto com sensores nas rodas, os quais determinam a pressão exata nos discos, impedindo que as rodas travem e façam o carro derrapar na pista.

O EBD é outra tecnologia interessante, geralmente presente nos carros com ABS. Esse recurso é responsável por uma melhor distribuição da frenagem entre os eixos traseiro e dianteiro do carro. Sendo assim, garante que o veículo se mantenha na trajetória correta ao se acionar os freios de forma mais brusca.

Ao lado do EBD (Eletronic Brake Distribution), hoje existe também o ESC. O Controle Eletrônico de Estabilidade(ESC) utiliza sensores para acionar os freios de maneira adequada em curvas e frenagens, para ajustar a trajetória do veículo.

Quais os componentes do sistema de freio do carro?

A eficiência da desaceleração de um carro depende de diversas peças que compõem o sistema de freios. Assim, para entender como ocorre o processo de frenagem, é preciso antes conhecer quais componentes fazem parte desse sistema.

Para ajudar, listamos a seguir as principais peças do sistema de freio de um veículo:

  • pedal: é o mecanismo básico de acionamento dos freios. É por meio dele que se aumenta a pressão nas mangueiras e faz as pinças se movimentarem contra o disco ou tambor;
  • discos: é a superfície plana, composta por materiais variados, a depender do modelo do veículo e da sua performance. Os discos são responsáveis por gerar o atrito contra as pastilhas, aumentado a resistência da rodagem e, assim, freando o veículo;
  • tambor: com uma função semelhante ao disco, o tambor também é a peça que gera o atrito, mas com as lonas de freio. As lonas são pressionadas contra as suas paredes, fazendo com que o carro reduza a velocidade;
  • pastilha: é a peça responsável por entrar em contato com o disco de freio, gerando o atrito necessário para que o veículo pare. Na maioria dos veículos, as pastilhas estão apenas nos freios dianteiros, formando o conjunto do freio a disco.
  • servo freio: é uma peça que atua como um transmissor da força do acionamento do pedal para o restante do sistema. Quando em funcionamento, o motor gera um vácuo no servo, aumentando a pressão no sistema e facilitando o acionamento dos freios pelo motorista;
  • cilindro mestre: é esse o componente que abastece todo o sistema com o fluido de freio, garantindo o correto funcionamento da parte hidráulica.

Como esse sistema funciona?

O sistema de frenagem do veículo, basicamente, funciona a partir da conversão da pressão mecânica exercida pelo pedal em pressão hidráulica. Assim, ao pisar no pedal, um circuito fechado de fluido de freio é comprimido desde o cilindro mestre. Posteriormente, o líquido passa pela tubulação até chegar aos cilindros ou pinças hidráulicas que se fecham pressionando os discos e parando o carro.

Assim, para que o veículo desacelere, o primeiro elemento a ser acionado é o pedal, peça que interage com o motorista. Por meio da variação de pressão exercida no pedal, a força é transmitida até o cilindro mestre.

No entanto, entre o pedal e o cilindro mestre existe o servo freio. O servo é o responsável por ampliar a força aplicada no pedal pelo motorista. Ele torna mais leve o acionamento do freio. Em seguida, repassa a resultante para o cilindro mestre, local em que o fluido de freio fica armazenado.

Desse modo, é no cilindro mestre que a força mecânica da pressão do pedal, após ser aumentada pelo servo, é convertida em pressão hidráulica. Esse processo de conversão é auxiliado por pistões que pressionam o fluido espalhado por todo o sistema.

Quais problemas podem causar falha nos freios?

Como já citamos, qualquer tipo de problema no sistema de freios é bastante perigoso, devido ao seu potencial de ocasionar acidentes. A manutenção dessas peças exige muita atenção do mecânico, que precisa não só conhecer o sistema, mas entender as principais causas das falhas. Por isso, veja a seguir quais questões podem ser diagnosticadas na sua oficina!

Desgaste do cilindro mestre

A capacidade de frenagem do carro depende, em grande parte, da vedação correta no cilindro mestre. Ele é o componente que direciona o fluido de freio e fornece a pressão necessária à frenagem. Desta forma, é essencial deixá-lo sempre em boas condições de funcionamento.

Os anos de uso geram desgastes naturais no cilindro mestre. A perda da vedação ou outras consequências da degradação fazem com que o veículo tenha menos capacidade para frear. Por isso, é necessário acompanhar essa peça com cuidado para prevenir falha nos freios.

Falta de verificação sistemática do nível do reservatório

Outro elemento fundamental para o bom estado dos freios é o fluido. O proprietário e o mecânico precisam sempre observar as características dele, verificando se há diminuição excessiva no nível do líquido. Em geral, isso deve ser checado em todas as revisões semestrais.

Em veículos mais velhos ou com uso mais intenso, essa inspeção pode precisar ser adiantada. Vale a pena acompanhar o estado do fluido no reservatório, pois falhas nesse componente diminuem a eficiência da frenagem e podem causar panes.

Problemas no servo freio ou buster

Como você sabe, essa peça é responsável por potencializar a força que o condutor emprega no pedal de freio. O ideal é que o motorista precise realizar apenas pressão leve ou moderada, não sendo necessário pisar fundo para conseguir frear.

Mas isso só acontece se o servo freio estiver regulado e em bom estado. Quando esse componente enfrenta contratempos, o motorista sente dificuldade para frear. Ou seja, é preciso colocar mais força no pedal para conseguir diminuir a velocidade ou parar o veículo. Com isso, há maior risco de falha nos freios e, consequentemente, de acidentes.

Vazamento na linha hidráulica

A função da linha hidráulica é conectar o cilindro mestre e os freios das rodas. Por isso, é importante verificar o funcionamento dela, observando, principalmente, as pinças de freio. As pastilhas são encaixadas nelas, recebendo a pressão hidráulica para pressionar o disco.

Quais são os sinais de que os freios necessitam de manutenção?

Agora que você já conhece todo o funcionamento do sistema de freios e sabe quais são os problemas que podem causar falhas, veja os sinais que o carro transmite para informar que é preciso investigar esses componentes. Caso o veículo esteja com algum desses sintomas, é hora de checar o funcionamento dos freios.

Tremores no pedal

Nos carros com freio ABS, o pedal pode apresentar leves trepidações em freadas mais bruscas. Entretanto, é importante ficar atento a esse sintoma. Ele também acontece quando os discos de freio estão empenados. Nesses casos, as pastilhas não conseguem a aderência adequada e o sistema oscila, repassando o movimento para o pedal.

Ruídos estranhos

Os barulhos são indicações muito comuns de problemas. Infelizmente, nem todos os motoristas procuram ajuda quando identificam algo estranho. No sistema de freios, é muito frequente o ruído de encontro entre metais, o que indica que os discos e pastilhas precisam ser substituídos. Quando isso acontece, há um grande perigo de perda de eficiência e falha nos freios.

Diferença na sensação ao acionar o pedal

Como mencionamos, o funcionamento correto do freio faz com que o motorista acione o sistema com uma pressão moderada no pedal. Quando o sistema enfrenta alguns obstáculos, isso pode mudar. Se houver a sensação de que ele está mais duro, é sinal de problemas no fluído de freio ou no disco. Já se o sentimento é de que ele está mole, pode ser desgaste nas pastilhas ou defeitos no cilindro mestre.

Como prolongar a vida útil dos freios do veículo?

Enquanto profissional mecânico, é seu dever orientar os clientes sobre as melhores práticas para cuidar da manutenção do carro. Quando se trata do sistema de freio, existem diferentes medidas que podem ser compartilhadas. Essas informações certamente garantirão mais eficiência e durabilidade do sistema. Confira alguns exemplos!

Respeitar os prazos de manutenção

Uma das primeiras dicas que você pode dar ao cliente é respeitar os prazos de manutenção dos freios. Como vimos, o sistema é composto por diferentes peças, de modo que cada uma delas pode apresentar desgaste e falhas.

Assim, é preciso recomendar ao cliente que esteja sempre atento ao cronograma de revisões do veículo. Desta forma, ele deve ter o hábito de levá-lo a uma oficina mecânica para conferências periódicas. Além disso, deve procurar um profissional sempre que notar que o funcionamento do freio não está adequado.

Nesse sentido, vale lembrar que existem algumas manutenções preventivas que devem ser feitas com uma certa regularidade. Existem situações em que o próprio motorista pode verificar, como é o caso do nível do reservatório do fluido de freio.

Em geral, esse reservatório fica em um local visível no cofre do motor, o que facilita a visualização do seu nível. Assim, é importante orientar o motorista a avaliar esse nível, procurando uma oficina quando constatar que está abaixo do recomendado.

Do mesmo modo, o condutor deve ficar atento com as pastilhas de freio. É importante realizar as trocas no tempo certo, evitando o desgaste excessivo e a danificação do disco. Problemas nesse componente podem ser detectados a partir de sons estranhos na hora de frear e a sensação de perda de eficiência na frenagem.

Procurar profissionais e empresas qualificadas

Outra orientação importante a ser passada para os seus clientes é de buscar sempre serviços de qualidade. Por se tratar de um sistema diretamente associado a segurança da condução, não se recomenda fazer reparos sem o devido cuidado.

Muitas vezes, diagnósticos errados de falhas podem gerar outros problemas, tornar a solução ainda mais cara e demorada. Por essa razão, o ideal é sempre buscar uma oficina qualificada e especializado no tipo de veículo a ser reparado.

Além disso, como vimos, os sistemas de freio modernos estão associados a outros recursos tecnológicos. Assim, é preciso ter certeza de que a oficina tem a estrutura e os equipamentos necessários para reparar esse tipo de freio. Isso porque muitos dos ajustes acabam dependendo de sistemas eletrônicos e computadores para serem diagnosticados e reparados com precisão.

Por fim, como vimos, o freio do carro é um sistema de extrema importância. Por essa razão, deve ser tratado com muita atenção e profissionalismo dentro da oficina. O profissional mecânico precisa estar capacitado para lidar com as características do veículo. Além disso, precisa reconhecer quaisquer problemas que possam interferir na segurança do cliente.

Então, gostou deste artigo? Não pare por aqui. Aprenda mais sobre o funcionamento do sistema de freio. Aproveite e baixe nosso e-book sobre como trocar pastilhas de freio de um veículo!

como trocar uma pastilha de freio a disco