Para o Mecânico

Junta homocinética: o que é preciso saber sobre essa peça?

Homem dirigindo automóvel

Está sem tempo para ler, você também pode ouvir este post:

A junta homocinética é uma daquelas peças que causaram uma verdadeira revolução na indústria automotiva. Entre outros avanços, ela permitiu a adoção da tração dianteira, tão comum nos veículos até os dias de hoje.

A peça permanece como o principal mecanismo de transmissão da energia gerada pelo motor até as rodas. Mas será que você sabe tudo o que é preciso para realizar diagnósticos precisos e reparos eficientes nesse componente?

Então, dê uma olhada neste conteúdo que preparamos com tudo o que você precisa saber sobre a junta homocinética.

Entenda o funcionamento da junta homocinética

Ao virar o volante e fazer uma curva sem que o desempenho do veículo seja afetado, muita gente nem se dá conta de que isso só é possível graças à junta homocinética. Afinal, é ela que faz com que a energia gerada pelo motor seja transferida para as rodas em diferentes situações.

Para que isso aconteça, as juntas ficam localizadas no cubo das rodas dianteiras, onde se conectam às extremidades do eixo de transmissão. Nos veículos com tração traseira, as juntas homocinéticas estão presentes nas quatro rodas.

Seu sistema de rolamento por esferas permite que o torque da transmissão seja transmitido para as rodas de maneira constante, independentemente do ângulo ou da movimentação vertical realizada. Assim, o veículo não perde tração na hora das curvas ou ao passar por trechos mais acidentados.

Além disso, a junta homocinética também é considerada um importante item de segurança, já que ela garante a estabilidade de um veículo quando está em movimento.

Conheça os diferentes tipos de junta

Nos veículos com tração dianteira, é possível encontrar dois tipos de juntas: a fixa e a deslizante.

A junta fixa faz a ligação entre o eixo da roda e o eixo homocinético, e é a que permite transmissão de torque mesmo em ângulo. Com função semelhante, a junta deslizante é a que fica localizada entre o eixo homocinético e o câmbio, sendo fundamental para que o sistema acompanhe os movimentos da suspensão.

Existem ainda tipos diferenciados de junta, como a VL, utilizada em veículos com tração traseira, e a tripoide, bastante empregada em veículos mais pesados.

Saiba quais são os componentes da junta homocinética

Rolamento

Um dos principais componentes da junta homocinética é o rolamento, que, como já vimos, é constituído por esferas. Essa característica confere uma maior capacidade de carga e segurança ao sistema.

Nas peças fixas, as esferas correm em trilhas que existem dentro do eixo conduzido. Já nas deslizantes, é a gaiola que contém os sulcos por onde correm as esferas.

Coifa protetora

Para impedir que os elementos deslizantes sejam contaminados por detritos, como areia e água, — o que aumentaria de maneira significativa o atrito — a coifa protetora é um componente fundamental.

Feita de borracha, ela envolve todos os demais componentes da junta, aumentando a sua vida útil.

Eixo

Apesar de não ser exatamente um componente da junta homocinética, os eixos trabalham em conjunto com essa peça. Como o seu estado pode influenciar diretamente a atuação das juntas, também é preciso atentar às condições dos eixos ao examinar um veículo em sua oficina.

Identifique os sinais de desgaste

Uma das funções das juntas homocinéticas é garantir a velocidade uniforme do veículo em curvas. Portanto, é exatamente nessa hora que é possível notar um de seus sinais de desgaste mais comuns.

Caso ouça sons de “cliques” vindos das rodas ao acelerar com o volante esterçado, pode ter certeza de que a junta fixa precisa ser trocada. É importante orientar seus clientes de que esse reparo deve ser feito o quanto antes, a fim de prevenir danos em demais peças, como as da suspensão.

Nos casos em que o barulho é ouvido nas acelerações em linha reta, é preciso voltar a atenção para a junta deslizante. Quando a graxa é contaminada por detritos, ela perde suas propriedades e faz com que o trabalho dos rolamentos produza o ruído.

Se esses sinais forem negligenciados, além da possibilidade de uma reação em cadeia, a segurança do veículo ficará seriamente comprometida. Fazer a manutenção logo nos primeiros sintomas é mais barato, simples e seguro.

Conheça os cuidados preventivos

Até que haja algum problema, a manutenção das juntas homocinéticas acaba sendo deixada de lado por muitos motoristas. No entanto, os profissionais de reparação devem estar sempre atentos aos cuidados preventivos que podem ser tomados, orientando seus clientes sobre essas práticas.

Para aumentar sua vida útil, é importante evitar arrancadas bruscas no trânsito, rodar com os pneus desalinhados ou com excesso de peso. Tudo isso contribui para que as juntas se desgastem de maneira mais rápida.

Fazer modificações na suspensão ou rebaixar o veículo também são práticas prejudiciais. Tais alterações influenciam no funcionamento do eixo homocinético, reduzindo o tempo de vida da junta deslizante.

Em geral, a junta homocinética apresenta uma excelente durabilidade, podendo rodar por até 50 mil km. No entanto, para garantir que ela esteja sempre em boas condições, o ideal é fazer revisões nesse componente a cada 10 mil km, pelo menos.

Veja dicas para fazer a manutenção

Ao receber um veículo com suspeita de problemas nas juntas homocinéticas em sua oficina, é importante dar atenção especial a cada um de seus componentes. Verifique se as coifas estão em bom estado e se existem falhas em sua vedação. Analise também as condições dos eixos para detectar a presença de fissuras ou empenamento.

Nos rolamentos, o normal é que a região que mais sofra com desgaste seja o centro. Se a deterioração estiver localizada em outra parte, é sinal de que o componente está desregulado e pode se danificar.

Quando a troca do componente for necessária, lembre-se de sempre optar por peças novas de qualidade. Produtos recondicionados não têm nenhum tipo de garantia, o que expõe seus clientes a grandes riscos no trânsito.

Além disso, reforce com seus clientes que a troca deve sempre ser realizada em locais adequados e que contem com as ferramentas necessárias. O melhor para a segurança é procurar um mecânico de confiança sempre que notar problemas nas juntas homocinéticas.

E então, entendeu tudo sobre junta homocinética? Aproveite a seção de comentários abaixo e conte pra gente o que você achou deste post!