Quanto custa ter um carro? Entenda todas as despesas de um veículo

Você sabe quanto custa ter um carro? Já sabemos que a vontade de ter o próprio veículo faz parte da lista de desejos da maioria dos brasileiros. Contudo, muitos que estão planejando torná-la uma realidade desconsideram que o custo de um automóvel não se resume apenas ao valor da compra.

Logo após a aquisição do veículo, deparam-se com gastos que não faziam parte do planejamento financeiro. Sendo assim, para evitar uma possível frustração, é preciso considerar os custos fixos e variáveis. E fazer uma escolha consciente do modelo que mais se encaixa em suas necessidades e condições.

Sabendo disso, preparamos este artigo para mostrar um panorama sobre os custos envolvidos em um automóvel. Quer saber quais são? Então, acompanhe a leitura!

Custos fixos de um carro

Afinal, quanto custa ter um carro? Os custos fixos referem-se aos gastos que, além de permanecerem sempre constantes, são considerados essenciais para manter o veículo. Dessa forma, o planejamento financeiro pode ser feito com mais precisão, pois os valores serão padronizados.

Veja só quais são os custos fixos de um carro!

Valor de entrada e de parcela do financiamento

Quem pretende adquirir um veículo por meio de um financiamento sabe que as concessionárias pedem uma entrada de, no mínimo, 10% do valor. Sendo assim, se você tem a intenção de comprar um carro de R$ 46.000, por exemplo, precisará ter em mãos o valor de R$ 4.600.

A grande questão aqui está em escolher entre uma entrada maior ou mais parcelas. A vantagem de escolher a primeira opção está na economia, pois, quando o primeiro pagamento é de um valor maior, o saldo devedor é menor e, consequentemente, a quantidade de parcelas também.

Você pode até optar por estender a quantidade de parcelas, mas pode reduzir o valor da prestação. Além disso, é necessário levar em consideração os juros adicionados em cada parcela. Nesse caso, quanto menos parcelas você tiver, maior será a sua economia no final do contrato.

Mas se você não tem um valor alto para dar de entrada, não se preocupe! As parcelas também oferecem benefícios. O principal deles é a possibilidade de o primeiro pagamento ser de um valor menor e o custo das parcelas ser mais acessível para o seu bolso, já que as mensalidades de um financiamento não devem ultrapassar 30% da renda familiar.

Diante disso, percebemos que ambos oferecem benefícios. Para saber qual das opções é a melhor para você, é preciso realizar uma análise das suas condições financeiras considerando os custos de curto, médio e longo prazo, ok?

Seguro

Devido aos inúmeros riscos envolvendo acidentes, furtos ou roubos aos quais os motoristas são submetidos no trânsito diariamente, o seguro foi uma solução encontrada para proteger o proprietário do veículo de possíveis prejuízos. Dessa forma, a sua principal função é ressarcir os danos provocados no veículo. Logo, o valor a ser pago para a seguradora varia conforme o tipo de seguro escolhido. Este valor também deve ser considerado quando pensamos em quanto custa ter um carro.

IPVA

IPVA é um dos tributos mais conhecidos. Essa sigla diz respeito ao Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores. Isso significa que, todos os anos, você deverá pagar uma taxa ao estado para utilizar o veículo. Nesse caso, cada estado determina a alíquota que será cobrada. Lembrando que o tipo do veículo também influencia no valor.

Licenciamento

O licenciamento nada mais é do que a renovação anual do documento do veículo. Por isso, trata-se de uma taxa obrigatória, pois informa que o veículo está apto para circulação. Os valores também são determinados pelo estado.

Custos variáveis de um carro

Os custos variáveis referem-se às despesas que não têm um valor fixo, pois variam conforme a frequência que o veículo é utilizado. Levando em consideração que queremos saber quanto custa ter um carro, podemos citar como exemplo:

  • combustível;
  • garagem ou estacionamento;
  • limpeza;
  • manutenção.

Dicas para reduzir as despesas com o carro

Como podemos perceber, a utilização de um veículo próprio envolve custos que vão além do valor da aquisição. Por esse motivo, é necessário ter um controle financeiro bem-feito para não tornar a compra um enorme prejuízo para o seu bolso.

Sendo assim, existem algumas práticas que podem ajudar você a reduzir despesas, independentemente de ser um carro novo ou seminovo. Veja só!

Evite a depreciação

Conforme o tempo passa, o carro naturalmente tende a perder o seu valor. Contudo, existem alguns fatores que contribuem para a sua desvalorização e que podem ser evitados, como os danos provocados por colisão, ou avarias causadas pelo mau uso.

Economize no combustível

Para você que ainda vai comprar o veículo, é importante considerar os gastos com o combustível. Nesse caso, pense na frequência com que será utilizado, pois isso pode servir como um fator determinante para escolher um modelo. Este poderá ser mais econômico, como os carros flex, que possibilitam a utilização de gasolina ou etanol.

Além de contar com consumo de combustível do veículo, você também pode economizar de outras formas:

  • mantenha a calibragem correta dos pneus, bem como o alinhamento e o balanceamento;
  • evite o excesso de peso no veículo;
  • troque a marcha na velocidade adequada;
  • dê preferência às gasolinas aditivadas;
  • substitua as velas no tempo certo;
  • dirija com os vidros fechados para não afetar a aerodinâmica do carro em velocidades altas;
  • evite usar o ar-condicionado com frequência;
  • evite acelerar ou frear o carro de forma brusca.

Todos esses cuidados, quando negligenciados, prejudicam o bom desempenho do motor. Isso contribui para o consumo excessivo do combustível e, consequentemente, maiores gastos.

Faça manutenções periódicas

As manutenções preventivas são a maneira mais segura de você evitar gastos, pois impedem o surgimento de problemas mecânicos que atrapalham o bom funcionamento do carro. Elas são diferentes da manutenção corretiva, que soluciona o problema somente após o seu aparecimento.

Sendo assim, a dica para economizar nesse ponto consiste em optar sempre pela manutenção preventiva. Além disso, sugerimos que você faça uma pesquisa de mercado, a fim de encontrar os melhores preços. Lembrando que preço bom nem sempre é o mais barato, mas é o mais vantajoso, numa relação de custo-benefício.

Isso significa que, para escolher a melhor oficina, você deve observar a qualidade e a garantia de serviços, a reputação no mercado e o tempo de experiência em revisão automotiva.

Mesmo que o seu preço esteja maior que as demais opções, ainda sim pode ser mais vantajoso devido à segurança transmitida pela oficina. Então, pense nisso!

Esses são os gastos que você precisa considerar no momento de adquirir um veículo. Agora que você já sabe quanto custa um carro, é preciso saber escolher com cuidado o modelo que atenderá às suas necessidades sem extrapolar o orçamento, ok?

Gostou do artigo e quer saber mais dicas sobre os cuidados com o carro? Então, confira agora o nosso guia sobre pneus. Nele você vai encontrar tudo o que precisa saber sobre esses acessórios.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.